//
você está lendo...
Homilias

Quem são hoje a mãe e os irmãos e as irmãs de Jesus?


Quem são hoje a mãe e os irmãos e as irmãs de Jesus?

2do Domingo após Pentecostes – Ciclo B

Textos:
1ra leitura: Gênesis 3,8-21
Salmo 130
2da leitura: 2 Coríntios 4,13-18
Evangelho: Marcos 3,20-35

O evangelho de Marcos é, junto com Mateus e Lucas, uno dos chamados «evangelhos sinópticos», do termo grego sinopses, que significa «ver desde a mesma ótica», o seja, que apresentam narrativas similares. Porém, Marcos tem características próprias que o diferenciam dos outros evangelhos sinópticos. Fala-se que em Mateus escutamos Jesus, em Lucas lhe conhecemos e que em João aprendemos sobre sua divindade, mas em Marcos se nos apresenta de uma maneira mais enfática o atuar de Jesus.

Assim, o evangelho de Marcos não se preocupa pela forma em que Jesus nasceu e fala muito pouco sobre sua ressurreição; tem um propósito básico, responder à pergunta: Quem é Jesus? Mas ele não apresenta apenas uma resposta teórica, mas fundamentada no seguimento e engajamento na prática de Jesus.

A perícope de hoje, faz parte de um bloco de narrativas que começando no capítulo primeiro (Mc 1,21) fala da atividade missionária de Jesus na região de Cafarnaum anunciando o evangelho. O bloco trabalha a resposta sobre a identidade de Jesus através da cura de doentes e exorcismos e mostra como as pessoas vão se definindo contra ou a favor de Jesus. O ambiente é de hostilidade por parte dos doutores da Lei por causa da conduta de Jesus (cf. Mc 2,5-7.17.24; 3,2.23). E será precisamente no meio desse agito que Jesus escolhe os doze discípulos, que serão o núcleo do novo povo de Deus, da nova humanidade, da nova família humana (Mc 3,13-19).

O evangelho de hoje narra que Jesus tinha voltado para casa. O domicílio dele agora é em Cafarnaum. Já não mora mais com a família em Nazaré (cf. Mc 2,1; 3,20). E sabendo que Jesus estava em casa, o povo foi ate lá. Juntou-se tanta gente que nem ele nem seus discípulos tinham tempo para comer e dormir. E em um ambiente de hostilidade por parte das lideranças judaicas Jesus recebe uma multidão de pessoas vindas de várias partes: camponeses e trabalhadores desempregados, enfim, pessoas muito pobres, sofredores e discriminados de toda espécie. Muitos deles estavam doentes, tinham escutado de Jesus, e procuravam ser curados (Mc 3,20).

Porém, para o povo de Israel as doenças e as possessões demoníacas eram consequência do pecado. Ou seja, quem estava doente era porque era um pecador. E apenas Deus podia perdoar os pecados. Ele era o único que podia curar o liberar (Mc 2,7). Eram as chamadas normas ou leis da pureza. Mas a observância dessas normas tinha-se convertido em fator de marginalização de muita gente: mulheres, crianças, samaritanos, estrangeiros, leprosos, cobradores de impostos, doentes, mutilados, paraplégicos etc. Em vez de acolhida, partilha e comunhão, essas normas favoreciam a separação e a exclusão.

Por isso, se Jesus curava doentes e perdoava os pecados, colocava-se no lugar de Deus, o qual era completamente inadmissível para Israel, e particularmente para os doutores da Lei. Mas, se Jesus não era Deus, então suas ações apareciam realizadas pelo poder do mal. E daí a disputa com os doutores da Lei ao redor da conduta de Jesus. E a resposta de Jesus de que seu poder era fruto do poder de Deus irritava muito aos seus ouvintes, e particularmente aos doutores da Lei (Mc 3,22).

Certamente, realizar as obras de Jesus e proclamar seu evangelho é muito perigoso, pois mexe com muita gente, mina e relativiza as instituições religiosas do tempo. Os doutores da Lei vêm como enviados de Jerusalém, interessados em no mudar nada. Acusam Jesus de endemoniado e parceiro de satanás. Porém, o pecado deles é muito grave porque se fecham em sua ganância e prepotência. Não são capazes de ver e ouvir os sinais dos tempos, nem sequer dialogar com quem chegava com outra proposta e outro projeto de sociedade e de convivência entre as pessoas.

No entanto, a missão de Jesus encontra obstáculos não apenas entre as lideranças religiosas judaicas, mas também no seio da sua própria família. Dessa maneira, quando os parentes de Jesus souberam da conduta de Jesus, e em sintonia com os doutores da Lei, pensaram também que estava louco (Mc 3,21).  Talvez, porque Jesus tinha saído do comportamento normal. Talvez, porque comprometia o nome da família. Seja como for, os parentes decidem levá-lo de volta para Nazaré. Eles chegaram à casa onde Jesus estava. Provavelmente tinham vindo de Nazaré. E de lá até Cafarnaum são uns 40 quilômetros. Sua mãe veio também. E não podiam entrar na casa, porque havia gente demais na entrada. Por isso mandaram um recado a Jesus: Tua mãe, teus irmãos e tuas irmãs estão lá fora e te procuram! A reação de Jesus foi firme perguntando: Quem é minha mãe, quem são meus irmãos? E ele mesmo responde apontando para a multidão que estava ao redor: Vejam! Aqui estão minha mãe e os meus irmãos! Pois quem faz a vontade de Deus é meu irmão, minha irmã e minha mãe!

E ainda que o final da narrativa pudesse parecer apenas um simples conflito familiar. No contexto do evangelho de Marcos reflete uma verdade muito mais profunda e diferente. Com suas palavras, Jesus, por um lado, não permite que a família o afaste da missão e, por outro lado, alargou a família!

De tal modo, quando seus parentes chegaram a Cafarnaum e tentaram apoderar-se dele para levá-lo de volta para casa, ele reagiu decididamente. Em vez de fechar-se na sua pequena família ele, como tínhamos falado, alargou a família (Mc 3,33-35). Criou comunidade. Criou uma nova família. Crio um novo povo de Deus. E ele pedia o mesmo de todos os que queriam segui-lo. As famílias não podiam fechar-se. Os excluídos e os marginalizados deviam ser acolhidos, novamente, dentro da convivência e, assim, sentir-se acolhidos por Deus (cf. Lc 14,12-14). Porque este era o caminho para realizar o objetivo da Lei que dizia: “Portanto, não haverá nenhum israelita pobre” (Dt 15,4). Como os grandes profetas do passado, Jesus retoma o sentido profundo, do clã da família, da comunidade, como expressão da encarnação do amor de Deus no amor ao próximo.

Mediante o Espírito Santo, e desde o momento que somos batizados, começamos a formar parte dessa nova família de Deus criada por Jesus. Transformamo-nos em filhos e filhas de Deus. E isto implica que Deus já habita em nós e somos chamados a serem instrumentos do amor e perdão de Deus para toda a humanidade. E por isso, a mensagem de Jesus não encaixa nessa teologia dos doutores da Lei de doenças e calamidades por causa do pecado.

Jesus enfatizou que o amor de Deus é muito mais profundo que qualquer erro dos seres humanos. O propósito último de Deus não é uma humanidade culpada e deprimida, mas uma nova humanidade, uma comunidade de discípulos e discípulas, que viva e encarne a mensagem de Jesus.

Que diferente daquelas mensagens de algumas predicações que enchem de culpa as pessoas e não permitem reconhecer esse amor de Deus! E certamente as palavras do salmista são um grito e uma denúncia contra todas essas teologias: “Povo de Israel, ponha a sua esperança em Deus… porque o seu amor é fiel, e ele sempre está disposto a salvar” (Sl 130,7).

No entanto, e com certeza, o amor de Deus não é barato. O teólogo alemão Dietrich Bonhoffer escreveu, antes de ser assassinado pelos nazis: “O seguimento de Jesus é uma graça custosa, não é barata”. Isto porque pertencer à família de Deus implica viver uma vida de acordo à vontade de Deus (Mc 4,35). E isso não é fácil, já que há muitas coisas em nossas vidas às quais devemos renunciar o mudar para nos ajustar ao projeto de Deus. Ser família de Deus é viver e pensar da maneira que nossas vidas mostrem a Deus em todo o que fazemos. É viver em amor no lugar de viver no ódio e no rancor. E certamente isso não é fácil. Mas é o caminho de Jesus e somos seus discípulos e discípulas chamados a viver como Ele.

Confrontados com o evangelho de hoje, devemos concluir como é importante descobrir e assumir a missão de Jesus; e particularmente como é importante contribuir na construção de uma nova sociedade, que é a família de Jesus: sua verdadeira mãe e sua verdadeira irmã, chamada a viver a fraternidade, a partilha e a lutar para melhorar a qualidade de vida de todos e para todos.

Jesus trouxe um novo relacionamento entre os seres humanos, uma nova família. E essa nova família transcende todos os limites humanos. Quem faz a vontade de Deus, seja quem for, é mãe, irmão e irmã de Jesus. Vamos, pois, pelo mundo para ser instrumentos da obra de Deus em Cristo e vamos ser verdadeiramente sua mãe, seus irmãos e suas irmãs de hoje, para que o mundo possa acreditar no seu poder.

Discussão

20 comentários sobre “Quem são hoje a mãe e os irmãos e as irmãs de Jesus?

  1. i’m learning how to write well for my articles, any tips? i would really appreciate your help.http://www.paletesplasticos.com

    Publicado por Emanuele | 21 de junho de 2012, 5:04 pm
  2. your articles are always awesome, and the design of your website helps to keep it beautiful.http://www.wigoblog.com

    Publicado por Alena | 12 de julho de 2012, 1:52 pm
  3. what you’ve said makes sense, and i can understand it very clearly, thanks.http://www.valeejunto.com

    Publicado por Carmem Dos Satos | 14 de julho de 2012, 4:30 am
  4. this was a really quality post. in theory i’d like to write like this too. taking time and real effort to make a good article.http://www.maladiretasegmentada.com.br

    Publicado por Areusa | 20 de julho de 2012, 6:22 pm
  5. excellent article. very interesting to read. i really love to read such a nice article. thanks! keep rocking.http://www.maladiretasegmentada.com.br

    Publicado por Anália | 24 de julho de 2012, 12:23 pm
  6. great website, great posts. i will also encourage my friends to read your posts.http://www.maladiretasegmentada.com.br

    Publicado por Argemira | 27 de julho de 2012, 9:38 am
  7. your blog is very simple but i like it because it is very well structured. lista de email lista de email lista de email lista de email lista de email

    Publicado por lista de email | 3 de setembro de 2012, 9:34 am

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: