//
você está lendo...
Bíblia - português

Lendo a Bíblia com novos olhos


Lendo a Bíblia com novos olhos

(Algumas orientações e sugestões para grupos, animadores e relatores de estudos bíblicos e da Leitura Popular da Bíblia)

Introdução

Há muitas maneiras de ler e estudar a Bíblia. No entanto, agora propomos nos aproximarmos às Escrituras de uma maneira contextual, comunitária e, de ser possível, ecumênica. Mas esta proposta não é um novo método, senão um processo dinâmico, porque não se trata só de apresentar técnicas ou dinâmicas de grupo. O que interessa e importa é se apropriar, articular e transmitir uma determinada visão da Bíblia onde, graças à união entre Bíblia e vida, a comunidade redescubra e se afirme na certeza de que, da mesma maneira que Deus esteve com o povo no passado, está hoje conosco em nossas lutas do presente por uma igreja renovada e por um mundo mais justo e melhor.

Precisamente, porque se trata de interpretar a vida com a ajuda da Bíblia, é que a leitura que se propõe deveria ser ecumênica, porque o mais ecumênico que temos é a vida mesma. E leitura ecumênica é aquela que interpreta a Bíblia em defesa da vida e não em defesa de nossas confissões religiosas[1].

E uma leitura em defesa da vida tem que ser necessariamente liberadora e transformadora; deve comprometer-nos em nossa transformação pessoal, para que depois sejamos verdadeiramente sal que preserva, luz que ilumina e fermento que transforma no meio de nossa realidade social e eclesial (cf. Mt 5,13-16; 13,33). Portanto, uma leitura em defesa da vida implica um compromisso de transformação tanto pessoal como social, o qual significa que integra toda a realidade existencial: o político, o econômico, o cultural, bem como a esfera religiosa e espiritual da vida.

Mas se esta maneira de se aproximar ao texto bíblico é um processo, este não acontecerá por si mesmo, senão que precisa ser facilitado. E isso é o que pretendem estas orientações: ser somente uma guia que facilite o trabalho dos grupos de estudo bíblico e leitura popular da Bíblia.

No entanto, estas orientações podem e devem ser enriquecidas e/ou modificadas de acordo às necessidades e características da cada grupo e comunidade. Ler a Bíblia contextualmente, comunitariamente e ecumenicamente, deve ser um processo criativo, no qual aquelas pessoas mais treinadas do grupo sejam capazes de caminhar junto “aos pequeninos” (Mt 25,40). Porque é necessário caminhar junto às pessoas, tal como o fez Jesus com os caminhantes de Emaús: ao ritmo delas (cf. Lc 24,13-36). Seguramente teremos que deter-nos em algum momento e esperar por algumas, porque de nada vale querer correr e ir adiante, ou imaginá-las ignorantes, já que então poderíamos perder todo o caminho percorrido.[2] Por isso dizemos que a leitura que propomos é um processo no qual todos e todas temos uma valiosa contribuição que dar na apropriação da Bíblia para nosso presente.

Os facilitadores do processo

Como o processo de leitura popular e comunitária da Bíblia deve ser facilitado, um aspecto chave e importante tem a ver com a o trabalho dos/as animadores/ras e relatores/ras.

Que se espera de um animador/ra?

Interpretar não é uma atividade informativa exclusiva dos exegetas e especialistas bíblicos; é uma atividade comunitária à que todos e cada um, incluído o exegeta, o especialista bíblico, e os que têm mais conhecimentos dentro do grupo, devem contribuir.[3] Por isso, não se espera que a pessoa que anime um grupo de estudo bíblico ou de leitura popular e comunitária da Bíblia seja um/a teólogo/ga ou um/a biblista, mas deverá ter sabedoria e certa capacidade e experiência no trabalho com grupos.

Mas, além do mais, um/a animador/ra deve:

  • Preparar-se adequadamente para cada encontro.
  • Usar uma metodologia que estimule a participação de todo o grupo e que evite que uma pessoa domine a discussão.
  • Saber dirigir criadoramente o processo, respeitando todas as contribuições.
  • Ser capaz de propiciar que outras pessoas do grupo possam ocupar seu lugar.
  • Ser capaz de resumir a discussão e o debate.
  • Propiciar o crescimento de todo o grupo.

Qualquer pessoa pode chegar a ser um animador/ra, desde que não pretenda dominar e manipular ao coletivo e impor seus próprios pontos de vista. O processo de leitura bíblica contextual, comunitária e ecumênica não pode ser desenvolvido mediante formas autoritárias, senão mediante o respeito mútuo e um grande espírito de comunidade. Somente um ambiente de fraternidade, comunidade e entendimento poderá garantir um crescimento coletivo.[4]

Que se espera de um/a relator/ra?

O papel do relator/ra será também muito importante. Será aquela pessoa do coletivo que apoiará o trabalho do animador/ra, mas sua principal responsabilidade será ir recolhendo por escrito os aspectos centrais do processo e garantir a sistematização das conclusões.

Sugestões para o desenvolvimento dos encontros

1- Momento litúrgico ou celebrativo

Cada encontro deve ser iniciado com um momento de celebração, meditação e oração. É o momento para invocar o Espírito de Deus para que nos fale através do estudo de sua Palavra. A releitura da Bíblia e a celebração litúrgica, fé e compromisso social, fé e participação na vida comunitária, são termos que não se opõem, senão que são atitudes que se complementam e integram.

O momento celebrativo não deve constar simplesmente de uma oração, senão que também deve ser uma oportunidade para introduzir o texto a estudar, assim como para criar um clima de integração. Recomenda-se usar símbolos, dramas, poesias, cantos, momentos de silêncio, orações, etc. Ainda se deve conversar ou reflexionar sobre aqueles aspectos da realidade social e comunitária que devem ser iluminados pela Palavra de Deus.

Este momento litúrgico/celebrativo deve introduzir e ser a porta de entrada ao texto, mas uma porta que parta primeiramente de nossa realidade. Pode ser formada uma pequena equipe litúrgica que prepare esta celebração.

2- Estudo do texto

a) Leitura do texto. Ler o texto em voz alta. É importante, se for possível, ler diferentes versões da Bíblia, para estabelecer comparações. A seguir, o texto pode reler-se em silêncio por cada membro do grupo.

b) Aproximando-nos ao texto. Aqui entramos em um primeiro contato com o texto. Em alguns casos, sobretudo se o grupo é muito grande, podem ser formados pequenos grupos. O animador deverá conduzir esta parte diretamente. Podem ser usados cartazes, quadro branco e/ou outros recursos disponíveis.

Possíveis aspectos a analisar:

  • Do que trata o texto? Quem fala? Desde onde fala? Sobre que fala? Por que fala? Quais são as personagens da história? Quais são os protagonistas principais e quais os secundários? Quantas vezes são mencionados?
  • Identificar os lugares geográficos do texto e averiguar seu significado. Consideras que são importantes para o entendimento da mensagem do texto?
  • Apontar os verbos que indicam as ações da cada um dos protagonistas. Seleciona verbos que se considerem “chaves” no texto.
  • Identificar o conflito (que o provoca, quem e por que se aborrecem, etc.). Relacionar o texto com outros textos conhecidos e/ou semelhantes da Bíblia. Ver como o texto toma partido ante os conflitos de sua época pode ajudar a compreender melhor sua mensagem e o sentido para nós hoje.
  • Identificar com precisão a proposta (que propõe, que transgredi, que implica, que questiona, etc.).

Certamente não todos os aspectos listados podem ser aplicados a todos os textos. Aqui o estudo prévio do/a animador/ra e sua capacidade de selecionar os aspectos para esclarecer são importantes.

c) Aprofundando o texto. Em este momento se entraria em uma análise mais profunda do texto: seu contexto histórico, sua qualidade literária, seu estilo, sua divisão interna, seu conteúdo e os seus detalhes. Aqui o trabalho do/a animador/ra deverá ser mais direto. Para isto se ajudará das informações contidas em subsídios bíblicos disponíveis, Comentários Bíblicos, etc. sobre o texto a estudar, ou de outros estudos adicionais que possa realizar.

O/a animador/ra, como já expressamos, deverá estudar previamente as informações dos subsídios bíblicos disponíveis, Comentários Bíblicos, e estudos adicionais que possa realizar, para ser capaz de clarificar as dúvidas e completar a informação do texto, de maneira que na próxima etapa o grupo possa refletir sobre a mensagem do texto para hoje. Se o grupo foi dividido em grupos menores para o momento anterior, seria conveniente que aqui se integre de novo. Esta parte poderia ser o final ou resumem da etapa anterior e o começo da que continua. No entanto, não há nada fixo no procedimento, e cada grupo poderá adaptá-lo às suas características.

d) Atualizando o texto. A atualização do texto para o presente é a meta do estudo. Porque Deus não só falou no passado, senão que continua falando hoje. Neste momento voltamos de novo à nossa realidade, trazemos o texto ao nosso presente. Este é o momento em que o texto se faz Palavra de Deus para nós. É quando o texto nos compromete a pôr em prática a Palavra que se nos dirige hoje.

Aqui o grupo deve ser dividido em grupos menores, mas depois deve ser integrado de novo para confrontar as reflexões. As perguntas centrais para guiar a releitura do texto poderiam ser:

  • Como relacionar o texto com nossa própria vida?
  • O que nos diz esse texto hoje em dia?
  • O que faremos em resposta às demandas que Deus nos faz hoje?

Para resumir o processo há muitas possibilidades abertas à criatividade dos grupos: dramatizações, escrever em um cartaz frases que resumam o que foi descoberto e que se assume como um desafio de Deus para o presente, cantos, orações, um tempo celebrativo resumem, etc. Em fim, o importante é que ao final se resumam e assumam coletivamente as provocações que Deus nos faz hoje mediante o estudo de sua Palavra.

Conclusão

Espero que estas orientações e sugestões sejam úteis para que, juntos e juntas possamos nos aproximar à Bíblia com novos olhos. Para que nossos olhos descubram novos sentidos. Para que nossos gestos possam construir ações cheia de vida e a favor da vida.

________________


[1] Carlos Mesters: “La interpretación popular de la Biblia”. Selecciones de Teología (Barcelona) 34(136): 289, 1995.

[2] Ver Carlos Dreher: A caminho de Emaús. Leitura Bíblica e Educação Popular. CEBI, Belo Horizonte, 1993.

[3] Ver Carlos Mesters: “La interpretación popular de la Biblia”. op. cit., p. 286

[4] Ver Gerald West: Contextual Bible Study. Cluster Publications, Pietermariyzburg, South Africa, 1999, p.24.

Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: