//
você está lendo...
Estudos bíblicos - Deuteronômio

Palavras para tempos de crises… (II)


Palavras para tempos de crises…

Uma aproximação ao livro de Deuteronômio

Mensagem teologia e estrutura

Introdução

Na primeira parte de nossa caminhada pelo livro de Deuteronômio nos ocupamos de comentar a importância, o nome, e os problemas de época, local e autoria. Agora propomos falar da mensagem, teologia e estrutura de nosso livro.

Mensagem

Como tínhamos dito o Deuteronômio no seu conjunto é um livro que nasce no meio de um povo em transição e de uma nação ameaçada por tentações. Mas acima de tudo nasce para tentar dar uma resposta ao desastre da nação que levou à queda de Jerusalém pelas mãos dos Babilônicos em586 a.C. E nesse contexto, Deuteronômio tem como interlocutores e destinatários à geração de exilados, cuja tarefa era conquistar uma nova terra e construir uma nova sociedade.

Para esse propósito os redatores deuteronomistas retomaram a história passada de Israel e Judá, mostrando tanto o que Yahvé como o povo tinham feito. Desde o princípio o Deuteronômio apresenta os critérios a partir dos quais ia ser julgada e avaliada a história de Israel e Judá. E a primeira mensagem que os deuteronomistas apresentaram à comunidade de exilados foi a desobediência do povo às demandas da aliança (Dt 28,15-68), mas particularmente das lideranças de Israel. E eis aqui a fonte de todos os problemas: as lideranças tinham conduzido ao povo pelo caminho errado e o povo tinha dado as costas a Yahvé [1].

Contudo, o merecido castigo pela desobediência às demandas da aliança não é a última palavra do deuteronomista. E eis aqui a segunda e grande mensagem: nem tudo terminou para Israel. Apesar da dor do desastre nacional e do exílio o povo pode ver uma luz de esperança. Mas o requisito para essa renovação, para essa prosperidade total, é voltar às raízes, o qual significa voltar para Yahvé (Dt 30,1-10). No passado estão as raízes, as promessas; no futuro está a concretização dessas promessas; mas entre o passado e o futuro, se coloca o presente, ou seja, a obediência do povo. Por isso, se o povo quer participar do futuro de Deus, deve ser responsável com as demandas de Deus no presente[2].

Assim, para uma comunidade que estava caindo na desesperança, o redator deuteronomista tem uma palavra de esperança. E uma renovação do amor do povo a Deus, uma volta às raízes traria “prosperidade total”. Assim, o passado, o presente e o futuro são colocados juntos para a comunidade do exílio: da mesma maneira que no passado, no presente, Deus estava disposto a realizar uma obra portentosa no futuro. Porém, ao que o redator deuteronomista estava convidando aos exilados não era uma simples restauração senão a uma benção divina ainda maior (Dt 6,3; 10; 11; 18,12; 30,1-10).

Finalmente gostaria enfatizar um último aspecto. Não existe outro livro da Bíblia que coloque a instrução de crianças e jovens no centro da sua mensagem como faz o livro de Deuteronômio (Dt 4,9-10; 6,7.20-25; 11,19; 31,13). Tanto é assim, que Deuteronômio é o único livro do Pentateuco, ou seja, dos cinco primeiros livros da Bíblia, que utiliza o verbo “ensinar” (lamad). E nesta demanda Deuteronômio coloca aos pais como os sujeitos principais da obrigação do ensino (cf. Dt 6,4-9).[3]    

Estrutura

Sendo Deuteronômio um livro multifacético, existem muitas maneiras de estruturá-lo. Então, propomos a seguinte estrutura:[4]

  • Discurso inaugural (1-4)
  • Demandas à geração de hoje, ou seja, aos exilados (5-11)
  • O Código Deuteronômico – A lei da aliança (12-26)
  • Demandas à geração de amanhã (27-30)
  • O futuro do povo (31-41)

A primeira seção (Dt 1-4) é um resumo da história da geração passada e se convida à geração do presente, ou seja, aos exilados para um novo começo.

Já na segunda seção (Dt 5-11) o “ontem” se faz “hoje”, ou seja, todo o passado se atualiza para o presente.

A terceira seção, chamada Código Deuteronômico (Dt 12-26), ou também de “Proto-Deuteronômio”, constitui o núcleo ou o coração do livro. Segundo a pesquisa bíblica, esses capítulos constituem a parte mais antiga do livro, muito provável da época pré-exílica[5]. E as duas demandas centrais que aparecem no Código Deuteronômico são, por um lado, fidelidade a Yahvé (cf. Dt 12,2-3.29-31; 13,1-18; 16,21-22; 17,2-7; 18,20; 20,15-18); e por outro lado, misericórdia e justiça para com o desvalido e o empobrecido (Dt 14,29; 15,1-18; 16,9-20; 24,7.10-24).. Portanto, a pratica da justiça e a fidelidade a Deus são assuntos de vida o morte (Dt. 16,20; 13,1-19): são duas coisas inseparáveis. E que atualidade tem esta mensagem para nós, como a “nova geração de hoje”, como parte do “novo povo de Deus” em um “novo presente!

A quarta seção (Dt 27-30) constitui a conclusão do Código, e contém exortações para as gerações futuras.

Finalmente, a última seção (Dt 31-41) é a conclusão final do livro. Apresenta-se como as palavras de despedida de Moisés e prefigura uma situação futura de bem-estar e prosperidade tanto material como espiritual. É o shalom veterotestamentário que o Novo Testamento chamará depois “Reino de Deus”. Aqui Deus aparece como o refugio eterno de Israel. E, finalmente, como um último aspecto se enfatiza o fato de que uma liderança vai embora (Moisés/antiga geração) e uma liderança nova chega (Josué/nova geração).

Então, para terminar e resumir estes dois primeiros estudos introdutórios poder-se-ia dizer que Deuteronômio nasceu com ares renovadores, chegando a ser o referente principal da reforma de Josias (2 R 22-23). E a partir daí pode ser considerado o ponto de arranque ou o embrião do cânon do Antigo Testamento. Também, com seu aparecimento num momento crucial da história de Israel (final da monarquia), o templo e a profecia vão ser substituídos pelo “livro”. E este livro é o “livro da lei”, mas não é um livro legalista; é “uma lei pregada” que chama e exorta para uma volta às fontes, às raízes. Finalmente, Deuteronômio poder-se-ia ser chamado um “livro de fronteira” [6], porque canonicamente falando é parte do Pentateuco; porém, por sua vez, é parte dos Profetas Anteriores, ou seja, o nome que a terminologia hebraica dá ao conjunto que vai de Josué até 2 de Reis, e que a pesquisa moderna chama de Obra Historiográfica Deuteronomista. De certa maneira Deuteronômio é um resumo dos livros anteriores e, por sua vez, prepara a mensagens e a teologia dos livros que vêm a seguir.

No próximo estudo começaremos a transitar por diferentes textos do centro e coração teológico de nosso livro: o Código Deuteronômico.

_______________

Notas/referências bibliográficas

[1] Martin Noth, The Deuteronomistic History, JSOT,Sheffield, 1981, p.89-99.

[2] Edesio Sánchez, Deuteronomio,Buenos Aires, Kairos, 2002, (ComentarioBíblicoIberoamericano), p.32.

[3] Idem, p.33.

[4] Veja-se Antonio González Lamadrid, “Historia Deuteronomista”, em Historia, Narrativa e Apocalíptica, Navarra, Verbo Divino, 2000, (Introducción al Estudio dela Biblia), p.49-50 e Edesio Sánchez, cit., p.30-31.

[5] Veja Edesio Sánchez, cit., p.30 e Frank Crüsemann, A Tora – Teologia e história da lei do Antigo Testamento, Petrópolis, Vozes, 2002, p.292-298.

[6]EdesioSánchez, cit., p.34.

Discussão

2 comentários sobre “Palavras para tempos de crises… (II)

  1. excellent information. i have learned quite a few very helpful information from your blog. thank you very much. lista de emails lista de emails lista de emails lista de emails lista de emails

    Publicado por lista de emails | 7 de janeiro de 2013, 11:23 am

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: